Setembro amarelo: em tempos de incertezas, veja como cuidar da saúde mental

97

Setembro amarelo: em tempos de incertezas, veja como cuidar da saúde mental

97 visualizações

A pandemia da covid-19 causou mudanças drásticas na rotina de todos, e esse cenário repleto de incertezas, medos e ansiedades pode aumentar os casos de desequilíbrio emocional e transtornos mentais. O impacto do mundo pós-coronavírus na saúde mental pode ocasionar desde reações normais e esperadas de estresse agudo, até agravos mais profundos no sofrimento psíquico: historicamente, as estatísticas apontam o aumento dos casos de tentativas e suicídios após eventos extremos. Por isso, nesse momento, é necessário estar atento aos sinais de alerta, sejam seus ou das pessoas ao seu redor.

  • Isolamento afetivo e sentimento de solidão;
  •  Irritação ou agitação excessiva;
  • Sentimento de desamparo e desesperança;
  • Autodesvalorização;
  •  Sentimento de tristeza, baixa autoestima e impotência;
  • Crise existencial;
  • Exposições frequentes a situações de risco.

Setembro é o mês mundial de prevenção ao suicídio, chamado também de Setembro Amarelo.
O assunto, que já foi um tabu muito maior, ainda enfrenta grandes dificuldades na identificação de sinais, oferta e busca por ajuda, justamente pelos preconceitos e falta de informação. É fundamental lembrar que o suicídio é um fenômeno complexo e multifatorial, e que o possível aumento no seu número de casos, em uma situação de pandemia, pode estar relacionado a diferentes fatores como:

  • Medo;
  • Isolamento;
  • Solidão;
  • Falta de perspectivas;
  • Acesso reduzido a suporte comunitário e religioso/espiritual.

O suicídio pode afetar a todos, sem distinção de classe social, idade, orientação sexual, etnia ou religião. Nessa fase de isolamento e distanciamento social, é possível que haja uma exacerbação da sensação de medo e solidão – que são importantes fatores de risco para suicídio. E vale lembrar que tais aspectos também se acentuam em pessoas que estejam vivendo o luto por seus entes perdidos. 

Confira algumas dicas para ajudar a manter a saúde mental em equilíbrio:

  • Reconhecer e acolher seus receios e medos, procurando pessoas de confiança para conversar a respeito;
  • Reenquadrar os planos e estratégias de vida, de forma a seguir produzindo planos de forma adaptada às condições associadas à pandemia;
  • Buscar fontes confiáveis de informação, evitando dar atenção às fakes news que podem aumentar o medo e a ansiedade;
  • Reduzir o tempo que passa assistindo ou ouvindo coberturas da pandemia na mídia;
  • Manter ativa a rede socioafetiva, estabelecendo contato, mesmo que virtual, com familiares, amigos e colegas;
  • Investir e estimular ações solidárias e de cuidado familiar e comunitário;
  • Investir em exercícios e ações que auxiliem na redução do nível de estresse agudo, como meditação, leitura, exercícios de respiração, entre outros;
  • Estimular a retomada de experiências e habilidades usadas em tempos difíceis do passado para gerenciar emoções durante a epidemia.

Lembre-se: você não está sozinho!

#Juntossomosmaisfortes #DicasMDS #SetembroAmarelo #MDSBrasil

Fontes:

Suicídio – Ministério da Saúde
Saúde de A a Z – Ministério da Saúde
Setembro Amarelo
Portal De Bem Com a Vida
Cartilha Prevenção ao Suicídio Fiocruz
Portal Fiocruz Brasília

A pandemia da covid-19 causou mudanças drásticas na rotina de todos, e esse cenário repleto de incertezas, medos e ansiedades pode aumentar os casos de desequilíbrio emocional e transtornos mentais. O impacto do mundo pós-coronavírus na saúde mental pode ocasionar desde reações normais e esperadas de estresse agudo, até agravos mais profundos no sofrimento psíquico: historicamente, as estatísticas apontam o aumento dos casos de tentativas e suicídios após eventos extremos. Por isso, nesse momento, é necessário estar atento aos sinais de alerta, sejam seus ou das pessoas ao seu redor.

  • Isolamento afetivo e sentimento de solidão;
  •  Irritação ou agitação excessiva;
  • Sentimento de desamparo e desesperança;
  • Autodesvalorização;
  •  Sentimento de tristeza, baixa autoestima e impotência;
  • Crise existencial;
  • Exposições frequentes a situações de risco.

Setembro é o mês mundial de prevenção ao suicídio, chamado também de Setembro Amarelo.
O assunto, que já foi um tabu muito maior, ainda enfrenta grandes dificuldades na identificação de sinais, oferta e busca por ajuda, justamente pelos preconceitos e falta de informação. É fundamental lembrar que o suicídio é um fenômeno complexo e multifatorial, e que o possível aumento no seu número de casos, em uma situação de pandemia, pode estar relacionado a diferentes fatores como:

  • Medo;
  • Isolamento;
  • Solidão;
  • Falta de perspectivas;
  • Acesso reduzido a suporte comunitário e religioso/espiritual.

O suicídio pode afetar a todos, sem distinção de classe social, idade, orientação sexual, etnia ou religião. Nessa fase de isolamento e distanciamento social, é possível que haja uma exacerbação da sensação de medo e solidão – que são importantes fatores de risco para suicídio. E vale lembrar que tais aspectos também se acentuam em pessoas que estejam vivendo o luto por seus entes perdidos. 

Confira algumas dicas para ajudar a manter a saúde mental em equilíbrio:

  • Reconhecer e acolher seus receios e medos, procurando pessoas de confiança para conversar a respeito;
  • Reenquadrar os planos e estratégias de vida, de forma a seguir produzindo planos de forma adaptada às condições associadas à pandemia;
  • Buscar fontes confiáveis de informação, evitando dar atenção às fakes news que podem aumentar o medo e a ansiedade;
  • Reduzir o tempo que passa assistindo ou ouvindo coberturas da pandemia na mídia;
  • Manter ativa a rede socioafetiva, estabelecendo contato, mesmo que virtual, com familiares, amigos e colegas;
  • Investir e estimular ações solidárias e de cuidado familiar e comunitário;
  • Investir em exercícios e ações que auxiliem na redução do nível de estresse agudo, como meditação, leitura, exercícios de respiração, entre outros;
  • Estimular a retomada de experiências e habilidades usadas em tempos difíceis do passado para gerenciar emoções durante a epidemia.

Lembre-se: você não está sozinho!

#Juntossomosmaisfortes #DicasMDS #SetembroAmarelo #MDSBrasil

Fontes:

Suicídio – Ministério da Saúde
Saúde de A a Z – Ministério da Saúde
Setembro Amarelo
Portal De Bem Com a Vida
Cartilha Prevenção ao Suicídio Fiocruz
Portal Fiocruz Brasília

Últimas Publicações

Veja Nossos Vídeos

O De Bem com a Vida é um portal dedicado a reunir e disseminar boas práticas para saúde, bem-estar e qualidade de vida. Por meio de cartilhas e conteúdo, a plataforma traz informações atualizadas sobre o setor – notícias, legislação, dicas e muito mais. Além de agregar os insights e novidades em alta, o portal é atualizado mensalmente com campanhas de saúde e conscientização. O objetivo é compartilhar conhecimento de forma clara e didática e contribuir para a educação da população.

Inscreva-se
e receba novos conteúdos

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies