PURPLE DAY

97

PURPLE DAY

97 visualizações

O “Dia Roxo” nasceu em 26 de março de 2008 na Nova Escócia, no Canadá, e tem por objetivo aumentar a conscientização sobre a epilepsia. Foi criado por Cassidy Megan, uma criança que na época tinha apenas nove anos de idade, com a ajuda da Associação de Epilepsia da Nova Escócia (EANS).
A data ficou conhecida como “Dia Roxo” devido a flor de lavanda, que Cassidy escolheu para representar a epilepsia. Ela escolheu esta flor por ser associada à solidão, sentimento de isolamento compartilhado por muitas pessoas que convivem com a doença.

O que é epilepsia?
A epilepsia se caracteriza por manifestações neurológicas, que vão desde crises de ausência a crises convulsivas, sempre seguidas de confusão mental. Isso ocorre devido a uma desorganização das ondas cerebrais que, dependendo do lugar no cérebro em que esse foco se desorganiza, pode apresentar diferentes sintomas.
A crise de ausência é caracterizada por perda súbita da consciência e olhar vago, como se a pessoa estivesse com o pensamento distante, fora do ambiente no qual está, não responde a estímulos ou ao que lhe é perguntado. Dura de alguns segundos a poucos minutos e muitas vezes a pessoa não se lembra do que aconteceu.
Já a crise convulsiva, que também é conhecida como crise tônico-clônica, é a manifestação mais comum. Essa crise é aquela que a pessoa se debate, cerra os dentes, apresenta excesso de salivação e é seguida por confusão mental.
Então, o que fazer para ajudar uma pessoa em crise convulsiva?

  • Primeiro, mantenha a calma diante de uma pessoa com crise do tipo convulsiva – a crise geralmente dura poucos segundos ou minutos e passa sozinha
  • Mantenha a pessoa deitada e espere ela se debater. Pode ser um pouco aflitivo ver a pessoa se debatendo, mas não há muito a se fazer
  • Enquanto ela está se debatendo, apoie sua cabeça para evitar um trauma e vire seu rosto de lado para eliminar o acúmulo de saliva ou para impedir que se asfixie com o próprio vômito
  • Nunca segure a língua e não coloque nada na boca da pessoa em crise. É preciso ficar claro que ela jamais conseguirá engolir a língua
  • Retire objetos de perto para evitar que ela se machuque

 
IMPORTANTE: Por que não devemos pegar a língua de uma pessoa que está em crise convulsiva?
Quando se está em crise convulsiva, a mordida é muito forte e inconsciente (a pessoa não sabe o que está fazendo naquele momento), por isso não se deve pôr a mão na língua ou qualquer outro objeto, como lenço ou talher. Ao contrário do que muitos pensam, não há risco algum da pessoa engolir a língua, pois a mesma é presa. O pior que pode acontecer durante a crise é a pessoa morder a língua, o que pode fazer com que ela sangre e fique dolorida, mas vai sarar. No entanto, quando se coloca objetos na boca, os ferimentos podem ser ainda mais sérios.
 
Diagnóstico e tratamento
Para um diagnóstico de epilepsia, é preciso que haja recorrência espontânea das crises: uma crise única não é indicativa da síndrome – embora a pessoa deva procurar um médico para saber o que provocou esse episódio.
Uma vez diagnosticada a epilepsia, o tratamento é medicamentoso e o paciente deve manter as visitas ao médico, nunca interromper a medicação sem orientação e nem reduzir a dosagem por conta própria. O medicamento pode ser fornecido pelo Ministério da Saúde e pela Unidade Básica de Saúde, e é importante manter o acompanhamento médico regular para controle.
 
“A epilepsia pode fazer parte da sua vida, mas não permita que sua vida seja a epilepsia”.
 
Fonte:
Brainn
Entrevista do Drauzio Varella
Epilepsia com Drauzio Varella

O “Dia Roxo” nasceu em 26 de março de 2008 na Nova Escócia, no Canadá, e tem por objetivo aumentar a conscientização sobre a epilepsia. Foi criado por Cassidy Megan, uma criança que na época tinha apenas nove anos de idade, com a ajuda da Associação de Epilepsia da Nova Escócia (EANS).
A data ficou conhecida como “Dia Roxo” devido a flor de lavanda, que Cassidy escolheu para representar a epilepsia. Ela escolheu esta flor por ser associada à solidão, sentimento de isolamento compartilhado por muitas pessoas que convivem com a doença.

O que é epilepsia?
A epilepsia se caracteriza por manifestações neurológicas, que vão desde crises de ausência a crises convulsivas, sempre seguidas de confusão mental. Isso ocorre devido a uma desorganização das ondas cerebrais que, dependendo do lugar no cérebro em que esse foco se desorganiza, pode apresentar diferentes sintomas.
A crise de ausência é caracterizada por perda súbita da consciência e olhar vago, como se a pessoa estivesse com o pensamento distante, fora do ambiente no qual está, não responde a estímulos ou ao que lhe é perguntado. Dura de alguns segundos a poucos minutos e muitas vezes a pessoa não se lembra do que aconteceu.
Já a crise convulsiva, que também é conhecida como crise tônico-clônica, é a manifestação mais comum. Essa crise é aquela que a pessoa se debate, cerra os dentes, apresenta excesso de salivação e é seguida por confusão mental.
Então, o que fazer para ajudar uma pessoa em crise convulsiva?

  • Primeiro, mantenha a calma diante de uma pessoa com crise do tipo convulsiva – a crise geralmente dura poucos segundos ou minutos e passa sozinha
  • Mantenha a pessoa deitada e espere ela se debater. Pode ser um pouco aflitivo ver a pessoa se debatendo, mas não há muito a se fazer
  • Enquanto ela está se debatendo, apoie sua cabeça para evitar um trauma e vire seu rosto de lado para eliminar o acúmulo de saliva ou para impedir que se asfixie com o próprio vômito
  • Nunca segure a língua e não coloque nada na boca da pessoa em crise. É preciso ficar claro que ela jamais conseguirá engolir a língua
  • Retire objetos de perto para evitar que ela se machuque

 
IMPORTANTE: Por que não devemos pegar a língua de uma pessoa que está em crise convulsiva?
Quando se está em crise convulsiva, a mordida é muito forte e inconsciente (a pessoa não sabe o que está fazendo naquele momento), por isso não se deve pôr a mão na língua ou qualquer outro objeto, como lenço ou talher. Ao contrário do que muitos pensam, não há risco algum da pessoa engolir a língua, pois a mesma é presa. O pior que pode acontecer durante a crise é a pessoa morder a língua, o que pode fazer com que ela sangre e fique dolorida, mas vai sarar. No entanto, quando se coloca objetos na boca, os ferimentos podem ser ainda mais sérios.
 
Diagnóstico e tratamento
Para um diagnóstico de epilepsia, é preciso que haja recorrência espontânea das crises: uma crise única não é indicativa da síndrome – embora a pessoa deva procurar um médico para saber o que provocou esse episódio.
Uma vez diagnosticada a epilepsia, o tratamento é medicamentoso e o paciente deve manter as visitas ao médico, nunca interromper a medicação sem orientação e nem reduzir a dosagem por conta própria. O medicamento pode ser fornecido pelo Ministério da Saúde e pela Unidade Básica de Saúde, e é importante manter o acompanhamento médico regular para controle.
 
“A epilepsia pode fazer parte da sua vida, mas não permita que sua vida seja a epilepsia”.
 
Fonte:
Brainn
Entrevista do Drauzio Varella
Epilepsia com Drauzio Varella

Últimas Publicações

Veja Nossos Vídeos

O De Bem com a Vida é um portal dedicado a reunir e disseminar boas práticas para saúde, bem-estar e qualidade de vida. Por meio de cartilhas e conteúdo, a plataforma traz informações atualizadas sobre o setor – notícias, legislação, dicas e muito mais. Além de agregar os insights e novidades em alta, o portal é atualizado mensalmente com campanhas de saúde e conscientização. O objetivo é compartilhar conhecimento de forma clara e didática e contribuir para a educação da população.

Inscreva-se
e receba novos conteúdos

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies