Mês Mundial de Prevenção ao Suicídio: importância e sinais

Entenda a importância do Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio e saiba como ajudar.

2

Mês Mundial de Prevenção ao Suicídio: importância e sinais

Entenda a importância do Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio e saiba como ajudar.

2 visualizações

Segundo o Ministério da Saúde, nove em cada dez mortes por suicídio poderiam ser evitadas, pois a pessoa passava por um transtorno mental naquele momento e não recebeu ajuda a tempo.  

O suicídio é uma questão que pode afetar indivíduos de diferentes origens, classes sociais, idades, orientações sexuais e identidades de gênero. Saber reconhecer os sinais de alerta em si mesmo ou em alguém próximo pode ser o primeiro e mais importante passo.  

Para isso, é fundamental falar, quebrar tabus e superar estigmas, alertar e conscientizar a população. E é justamente para isso que foi criado o Setembro Amarelo, que, com o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, é um movimento importante para a prevenção.  

Você já ouviu falar nessa causa? Sabe como pode identificar e ajudar alguém próximo que esteja passando por essa situação?  

Veja, neste conteúdo, alguns sinais de alerta, entenda um pouco mais sobre a importância dessa campanha e descubra como você pode ajudar alguém que precisa! 

 

O que é o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio? 

Dia 10 de setembro é oficialmente o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. A criação da data ocorreu em 2003 pela Associação Internacional para Prevenção do Suicídio (IASP) e a Organização Mundial da Saúde (OMS). 

Além disso, a partir de 2014, o Brasil instituiu o Setembro Amarelo, que é uma campanha de conscientização da população em relação ao suicídio e seus sinais, sendo uma forma também de estabelecer parâmetros para debater a causa durante todo o ano. 

 

Dados de suicídio no mundo 

De acordo com dados da OMS, mais de 700 mil pessoas morrem todos os anos em decorrência de suicídio. Ou seja, a cada 100 mortes informadas, 1 é suicídio. 

Dentro disso, uma questão que precisa ser discutida é que, enquanto os índices globais estão em queda, segundo a OMS, nas Américas está ocorrendo o oposto. 

No período de 2000 e 2019, os índices globais tiveram uma redução de 36%. Porém, dentro desse mesmo período, as Américas registraram um aumento de 17% nos registros de suicídios. 

Ainda com base nos dados, outro ponto que merece muita atenção é que, entre pessoas de 15 a 29 anos, o suicídio está elencado como a quarta causa de morte mais comum, ficando somente atrás de acidente de trânsito, tuberculose e violência interpessoal. 

Falando mais precisamente sobre os números do nosso país, no ano de 2022, foram registrados 16.262 suicídios no Brasil, conforme informações do Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Isso revela a crescente mencionada anteriormente, pois em 2021 o número registrado foi 14.475. 

Assim, conhecer esses dados é fundamental para compreender a extensão desse problema e a importância das ações de prevenção. 

 

A importância de falar sobre a prevenção do suicídio 

Diante dos dados trazidos acima, fica bem clara a importância de falar sobre o suicídio e de desenvolver estratégias de prevenção.  

Um dos pontos mais importantes do Setembro Amarelo é eliminar os estigmas, os tabus e os preconceitos que existem no que se refere à saúde mental. 

Nesse sentido, é fundamental que todos possam aprender a cuidar da saúde mental, dando a mesma importância que a saúde física recebe, e que tenham as condições necessárias, tanto econômicas quanto sociais, para isso. 

Quem considera ou comete suicídio está enfrentando diversas questões pessoais, sofrimentos psíquicos, culturais e econômicos que fragilizam a saúde mental. Por isso, o enfoque em ações que desmistifiquem os problemas de saúde mental é tão importante. 

Assim, a discussão sobre a prevenção do suicídio é indispensável e sempre deve passar pelo alerta dos principais sinais. 

Confira alguns dos principais sinais: 

  • Sentimento persistente de tristeza; 
  • Perda de interesse por atividades habituais;
  • Relatos de solidão; 
  • Ansiedade; 
  • Aversão social; 
  • Verbalização de despedidas; 
  • Comportamentos frequentes violentos ou autoagressivos. 

 

Saiba como você pode ajudar 

Diante de uma pessoa com esses sintomas, que pode estar sob risco de suicídio, algumas atitudes podem ajudar: 

  • Encontre um momento apropriado e um lugar calmo para conversar com a pessoa que está precisando. Deixe-a saber que você está lá para ouvi-la, escute com empatia e mente aberta, e ofereça seu apoio; 
  • Incentive a procura de ajuda de um profissional, oferecendo-se para acompanhá-la; 
  • Se você acha que essa pessoa está em perigo imediato, não a deixe sozinha. Procure ajuda de profissionais de serviços de emergência ou algum familiar dela; 
  • Fique em contato para acompanhar como a pessoa está passando e o que está fazendo; 
  • E o mais importante de tudo, nunca julgue, banalize ou “dê sermão”, essa pessoa precisa de ajuda, e não de críticas. 

 

Busque ajuda!  

Falar sobre o suicídio é a melhor forma de prevenção, e grande parte dos casos podem ser evitados por meio do diálogo e apoio adequado. 

Não se esqueça: você não está só, existem profissionais e locais prontos para prestar suporte.  

Busque apoio em um profissional de saúde de sua preferência ou em serviços de saúde, como Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e Unidades Básicas de Saúde (Saúde da Família, Postos e Centros de Saúde), além do Centro de Valorização da Vida por meio do telefone 188. 

 

A favor da Vida.
Contra o suicídio. 

Segundo o Ministério da Saúde, nove em cada dez mortes por suicídio poderiam ser evitadas, pois a pessoa passava por um transtorno mental naquele momento e não recebeu ajuda a tempo.  

O suicídio é uma questão que pode afetar indivíduos de diferentes origens, classes sociais, idades, orientações sexuais e identidades de gênero. Saber reconhecer os sinais de alerta em si mesmo ou em alguém próximo pode ser o primeiro e mais importante passo.  

Para isso, é fundamental falar, quebrar tabus e superar estigmas, alertar e conscientizar a população. E é justamente para isso que foi criado o Setembro Amarelo, que, com o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio, é um movimento importante para a prevenção.  

Você já ouviu falar nessa causa? Sabe como pode identificar e ajudar alguém próximo que esteja passando por essa situação?  

Veja, neste conteúdo, alguns sinais de alerta, entenda um pouco mais sobre a importância dessa campanha e descubra como você pode ajudar alguém que precisa! 

 

O que é o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio? 

Dia 10 de setembro é oficialmente o Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. A criação da data ocorreu em 2003 pela Associação Internacional para Prevenção do Suicídio (IASP) e a Organização Mundial da Saúde (OMS). 

Além disso, a partir de 2014, o Brasil instituiu o Setembro Amarelo, que é uma campanha de conscientização da população em relação ao suicídio e seus sinais, sendo uma forma também de estabelecer parâmetros para debater a causa durante todo o ano. 

 

Dados de suicídio no mundo 

De acordo com dados da OMS, mais de 700 mil pessoas morrem todos os anos em decorrência de suicídio. Ou seja, a cada 100 mortes informadas, 1 é suicídio. 

Dentro disso, uma questão que precisa ser discutida é que, enquanto os índices globais estão em queda, segundo a OMS, nas Américas está ocorrendo o oposto. 

No período de 2000 e 2019, os índices globais tiveram uma redução de 36%. Porém, dentro desse mesmo período, as Américas registraram um aumento de 17% nos registros de suicídios. 

Ainda com base nos dados, outro ponto que merece muita atenção é que, entre pessoas de 15 a 29 anos, o suicídio está elencado como a quarta causa de morte mais comum, ficando somente atrás de acidente de trânsito, tuberculose e violência interpessoal. 

Falando mais precisamente sobre os números do nosso país, no ano de 2022, foram registrados 16.262 suicídios no Brasil, conforme informações do Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Isso revela a crescente mencionada anteriormente, pois em 2021 o número registrado foi 14.475. 

Assim, conhecer esses dados é fundamental para compreender a extensão desse problema e a importância das ações de prevenção. 

 

A importância de falar sobre a prevenção do suicídio 

Diante dos dados trazidos acima, fica bem clara a importância de falar sobre o suicídio e de desenvolver estratégias de prevenção.  

Um dos pontos mais importantes do Setembro Amarelo é eliminar os estigmas, os tabus e os preconceitos que existem no que se refere à saúde mental. 

Nesse sentido, é fundamental que todos possam aprender a cuidar da saúde mental, dando a mesma importância que a saúde física recebe, e que tenham as condições necessárias, tanto econômicas quanto sociais, para isso. 

Quem considera ou comete suicídio está enfrentando diversas questões pessoais, sofrimentos psíquicos, culturais e econômicos que fragilizam a saúde mental. Por isso, o enfoque em ações que desmistifiquem os problemas de saúde mental é tão importante. 

Assim, a discussão sobre a prevenção do suicídio é indispensável e sempre deve passar pelo alerta dos principais sinais. 

Confira alguns dos principais sinais: 

  • Sentimento persistente de tristeza; 
  • Perda de interesse por atividades habituais;
  • Relatos de solidão; 
  • Ansiedade; 
  • Aversão social; 
  • Verbalização de despedidas; 
  • Comportamentos frequentes violentos ou autoagressivos. 

 

Saiba como você pode ajudar 

Diante de uma pessoa com esses sintomas, que pode estar sob risco de suicídio, algumas atitudes podem ajudar: 

  • Encontre um momento apropriado e um lugar calmo para conversar com a pessoa que está precisando. Deixe-a saber que você está lá para ouvi-la, escute com empatia e mente aberta, e ofereça seu apoio; 
  • Incentive a procura de ajuda de um profissional, oferecendo-se para acompanhá-la; 
  • Se você acha que essa pessoa está em perigo imediato, não a deixe sozinha. Procure ajuda de profissionais de serviços de emergência ou algum familiar dela; 
  • Fique em contato para acompanhar como a pessoa está passando e o que está fazendo; 
  • E o mais importante de tudo, nunca julgue, banalize ou “dê sermão”, essa pessoa precisa de ajuda, e não de críticas. 

 

Busque ajuda!  

Falar sobre o suicídio é a melhor forma de prevenção, e grande parte dos casos podem ser evitados por meio do diálogo e apoio adequado. 

Não se esqueça: você não está só, existem profissionais e locais prontos para prestar suporte.  

Busque apoio em um profissional de saúde de sua preferência ou em serviços de saúde, como Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) e Unidades Básicas de Saúde (Saúde da Família, Postos e Centros de Saúde), além do Centro de Valorização da Vida por meio do telefone 188. 

 

A favor da Vida.
Contra o suicídio. 

Últimas Publicações

Veja Nossos Vídeos

O De Bem com a Vida é um portal dedicado a reunir e disseminar boas práticas para saúde, bem-estar e qualidade de vida. Por meio de cartilhas e conteúdo, a plataforma traz informações atualizadas sobre o setor – notícias, legislação, dicas e muito mais. Além de agregar os insights e novidades em alta, o portal é atualizado mensalmente com campanhas de saúde e conscientização. O objetivo é compartilhar conhecimento de forma clara e didática e contribuir para a educação da população.

Inscreva-se
e receba novos conteúdos

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies