Janeiro Roxo – Mês da Prevenção contra a Hanseníase 

7

Janeiro Roxo – Mês da Prevenção contra a Hanseníase 

7 visualizações

Enfermidade mais antiga da humanidade, a Hanseníase é uma doença conhecida há mais de 4.000 anos, originária no Continente Asiático e Africano, segundo os especialistas – na Índia, China, Japão e Egito. Está relacionada a condição social, econômica e ambiental desfavorável. É uma doença infecto contagiosa causada por uma bactéria (Mycobacterium leprae), de evolução crônica. A doença atinge pele, mucosas e nervos periféricos.  

O termo “lepra”, foi ressignificado socialmente pelo Brasil – de forma adequada, na Lei 9.010, proibindo sua utilização nos documentos oficiais da Administração pública e foi descentralizada da União e Estados. Todo controle da doença e o fornecimento do tratamento é realizado pelos municípios. A modificação para a descrição do termo “Hanseníase”, auxiliou todas as pessoas acometidas pela doença, em uma melhor aceitação, e consequentemente o acolhimento, extremamente necessário no decorrer de seu tratamento. 

A transmissão da doença 

Ocorre quando uma pessoa doente (contagiantes) – sem tratamento, eliminam o bacilo para o exterior (espirro, tosse e fala), infectando pessoas suscetíveis – aquelas com maior chance de adoecer. Diferente do que se considerava anteriormente, que o contato com utensílios de uso comum do doente seriam o veículo transmissor, temos historicamente o surgimento do estigma e discriminação da doença, que afetava seriamente todo acompanhamento, e tratamento da Hanseníase. 

A doença pode apresentar longos períodos de incubação, antes do surgimento de qualquer sintoma. Em média pode chegar ao período de 2 a 7 anos, ou mesmo em alguns casos, superiores a 10 anos.  

Sinais e Sintomas 

– Manchas brancas, castanhas ou vermelhas na pele 

– Diminuição ou perda da sensibilidade na pele 

– Formigamento, Cãibras e Dormências nos braços e pernas 

– Caroços na pele 

– Diminuição ou perda de pelos, principalmente nas sobrancelhas  

Caso apresente qualquer um desses sinais e sintomas, busque atendimento médico, para definição do diagnóstico e tratamento. 

Diagnóstico 

Os casos de Hanseníase são diagnosticados basicamente pelo exame físico através da identificação das lesões suspeitas e confirmação da alteração da sensibilidade local, e também exames dermatológicos e neurológicos. 

Em crianças com quadro suspeito de Hanseníase, há necessidade de maior critério na avaliação e diagnóstico, devido à dificuldade dessa avaliação de sensibilidade. 

Tratamento 

O tratamento medicamentoso da hanseníase envolve a associação de três antimicrobianos: rifampicina, dapsona e clofazimina. Essa associação é denominada Poliquimioterapia Única (PQT-U) e está disponível nas apresentações adulto e infantil. É disponibilizada de forma gratuita e exclusiva no Sistema Único de Saúde – SUS. 

DISQUE SAÚDE 136 

Dentre as várias atribuições do canal de comunicação do Ministério da Saúde, do fornecimento de informações de doenças, programas, elogios e sugestões, este também atua na recepção de denúncias sobre descriminação sobre Hanseníase. A ligação é gratuita.  

Devemos evitar a estigmatização da doença e a exclusão social, combater a exclusão do doente de Hanseníase, trazendo o acolhimento adequado para a adesão ao tratamento, e sua cura completa.  

Fonte 

Ministério da Saúde 

Fio Cruz – Fundação Oswaldo Cruz 

SBD – Sociedade Brasileira de Dermatologia

Enfermidade mais antiga da humanidade, a Hanseníase é uma doença conhecida há mais de 4.000 anos, originária no Continente Asiático e Africano, segundo os especialistas – na Índia, China, Japão e Egito. Está relacionada a condição social, econômica e ambiental desfavorável. É uma doença infecto contagiosa causada por uma bactéria (Mycobacterium leprae), de evolução crônica. A doença atinge pele, mucosas e nervos periféricos.  

O termo “lepra”, foi ressignificado socialmente pelo Brasil – de forma adequada, na Lei 9.010, proibindo sua utilização nos documentos oficiais da Administração pública e foi descentralizada da União e Estados. Todo controle da doença e o fornecimento do tratamento é realizado pelos municípios. A modificação para a descrição do termo “Hanseníase”, auxiliou todas as pessoas acometidas pela doença, em uma melhor aceitação, e consequentemente o acolhimento, extremamente necessário no decorrer de seu tratamento. 

A transmissão da doença 

Ocorre quando uma pessoa doente (contagiantes) – sem tratamento, eliminam o bacilo para o exterior (espirro, tosse e fala), infectando pessoas suscetíveis – aquelas com maior chance de adoecer. Diferente do que se considerava anteriormente, que o contato com utensílios de uso comum do doente seriam o veículo transmissor, temos historicamente o surgimento do estigma e discriminação da doença, que afetava seriamente todo acompanhamento, e tratamento da Hanseníase. 

A doença pode apresentar longos períodos de incubação, antes do surgimento de qualquer sintoma. Em média pode chegar ao período de 2 a 7 anos, ou mesmo em alguns casos, superiores a 10 anos.  

Sinais e Sintomas 

– Manchas brancas, castanhas ou vermelhas na pele 

– Diminuição ou perda da sensibilidade na pele 

– Formigamento, Cãibras e Dormências nos braços e pernas 

– Caroços na pele 

– Diminuição ou perda de pelos, principalmente nas sobrancelhas  

Caso apresente qualquer um desses sinais e sintomas, busque atendimento médico, para definição do diagnóstico e tratamento. 

Diagnóstico 

Os casos de Hanseníase são diagnosticados basicamente pelo exame físico através da identificação das lesões suspeitas e confirmação da alteração da sensibilidade local, e também exames dermatológicos e neurológicos. 

Em crianças com quadro suspeito de Hanseníase, há necessidade de maior critério na avaliação e diagnóstico, devido à dificuldade dessa avaliação de sensibilidade. 

Tratamento 

O tratamento medicamentoso da hanseníase envolve a associação de três antimicrobianos: rifampicina, dapsona e clofazimina. Essa associação é denominada Poliquimioterapia Única (PQT-U) e está disponível nas apresentações adulto e infantil. É disponibilizada de forma gratuita e exclusiva no Sistema Único de Saúde – SUS. 

DISQUE SAÚDE 136 

Dentre as várias atribuições do canal de comunicação do Ministério da Saúde, do fornecimento de informações de doenças, programas, elogios e sugestões, este também atua na recepção de denúncias sobre descriminação sobre Hanseníase. A ligação é gratuita.  

Devemos evitar a estigmatização da doença e a exclusão social, combater a exclusão do doente de Hanseníase, trazendo o acolhimento adequado para a adesão ao tratamento, e sua cura completa.  

Fonte 

Ministério da Saúde 

Fio Cruz – Fundação Oswaldo Cruz 

SBD – Sociedade Brasileira de Dermatologia

Últimas Publicações

Veja Nossos Vídeos

O De Bem com a Vida é um portal dedicado a reunir e disseminar boas práticas para saúde, bem-estar e qualidade de vida. Por meio de cartilhas e conteúdo, a plataforma traz informações atualizadas sobre o setor – notícias, legislação, dicas e muito mais. Além de agregar os insights e novidades em alta, o portal é atualizado mensalmente com campanhas de saúde e conscientização. O objetivo é compartilhar conhecimento de forma clara e didática e contribuir para a educação da população.

Inscreva-se
e receba novos conteúdos

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies