21/10: Dia Nacional de Combate à Sífilis e à Sífilis Congênita!

21/10: Dia Nacional de Combate à Sífilis e à Sífilis Congênita!

10

21/10: Dia Nacional de Combate à Sífilis e à Sífilis Congênita!

21/10: Dia Nacional de Combate à Sífilis e à Sífilis Congênita!

10 visualizações

Saiba como se proteger e como funciona o tratamento 

O Dia Nacional de Combate à Sífilis e Sífilis Congênita foi instituído por meio da Lei nº 13.430/2.017 no terceiro sábado do mês de outubro e tem como principal finalidade envolver a participação de profissionais e gestores da área da saúde na disseminação da relevância da doença, principalmente, na investigação diagnóstica durante o pré-natal das gestantes, bem como nos portadores da doença de ambos os sexos nas infecções sexualmente transmissíveis (IST).   

A Sífilis ou Lues, é uma infeção causada por uma bactéria, denominada de Treponema pallidum, exclusiva da espécie humana e totalmente curável. 

Transmissão:  

Os principais mecanismos de transmissão da sífilis são: relações sexuais sem proteção, sangue ou produtos sanguíneos (agulhas contaminadas ou transfusões de sangues não testados – hoje muito raro), contaminação de mãe para filho durante a gestação ou no momento do parto (sífilis congênita) ou mesmo pela amamentação.  

Sintomas:  

Os sinais e sintomas da sífilis variam de acordo com o estágio da doença, que se divide em:  

Sífilis latente:  

  • Ausência de sinais ou sintomas.  

É dividida em sífilis latente recente (menos de dois anos de infecção) e sífilis latente tardia (mais de dois anos de infecção). A duração é variável, podendo ser interrompida pelo surgimento de sinais e sintomas da forma secundária ou terciária.  

Sífilis primária:  

  • Ferida. 

Normalmente única, no local de ocorrência da entrada da bactéria (pênis, vulva, vagina, colo uterino, ânus, boca, ou outros locais da pele) e que surgem num período entre 10 a e 90 dias após o contágio. Essa lesão é rica em bactérias, normalmente não dói, não coça, não arde e não tem pus, podendo estar acompanhada de ínguas (caroços dolorosos) na virilha.  

Sífilis secundária:  

  • Febre 
  • Cefaleias 
  • Caroços pelo corpo 

Os sinais e sintomas aparecem normalmente entre seis semanas a seis meses do aparecimento e cicatrização da ferida inicial (manchas corporais que não coçam).  

Sífilis terciária: 

  • Lesões cutâneas, ósseas, cardiovasculares e neurológicas.  

Pode surgir de dois a 40 anos (isso mesmo!!!) depois do início da infecção. Uma pessoa pode ter sífilis e não saber, isso porque a doença pode aparecer e desaparecer, mas continuar latente no organismo. Por isso é importante se proteger, fazer o teste e, se a infecção for detectada, tratar da maneira correta. O não tratamento da sífilis pode levar a várias outras doenças e complicações, inclusive à morte.  

Sífilis congênita:  

É a infecção transmitida da mãe para o bebê e pode ocorrer em qualquer fase da gravidez. O risco é maior para as mulheres com sífilis primária ou secundária. Importante ressaltar que a sífilis materna e sem tratamento, pode causar má-formação do feto, aborto espontâneo e morte fetal. Na maioria das vezes, porém, o bebê nasce aparentemente saudável e os sintomas aparecem nos primeiros meses de vida: pneumonia, feridas no corpo, alterações nos ossos e no desenvolvimento mental, surdez e cegueira.  

Tratamento:  

O tratamento é feito com antibióticos e deve ser acompanhado com exames clínicos e laboratoriais para avaliar a evolução da doença e estendido aos parceiros sexuais. A sífilis é uma infecção curável, com tratamento relativamente simples, mas pegar uma vez não promove imunidade. Nas formas mais graves da doença, como na fase terciária, o não tratamento adequado pode levar à morte.  

Prevenção:  

O uso de preservativos (tanto femininos como masculinos) durante todas as relações sexuais (inclusive anais ou orais) é a maneira mais segura de prevenir a doença; o acompanhamento das gestantes e dos parceiros sexuais durante o pré-natal contribui para o controle da sífilis congênita. 

É essencial compreender a importância da prevenção e do diagnóstico precoce.  
Atente-se aos sinais e, proteja-se! Procure seu médico para mais informações.  

Saiba como se proteger e como funciona o tratamento 

O Dia Nacional de Combate à Sífilis e Sífilis Congênita foi instituído por meio da Lei nº 13.430/2.017 no terceiro sábado do mês de outubro e tem como principal finalidade envolver a participação de profissionais e gestores da área da saúde na disseminação da relevância da doença, principalmente, na investigação diagnóstica durante o pré-natal das gestantes, bem como nos portadores da doença de ambos os sexos nas infecções sexualmente transmissíveis (IST).   

A Sífilis ou Lues, é uma infeção causada por uma bactéria, denominada de Treponema pallidum, exclusiva da espécie humana e totalmente curável. 

Transmissão:  

Os principais mecanismos de transmissão da sífilis são: relações sexuais sem proteção, sangue ou produtos sanguíneos (agulhas contaminadas ou transfusões de sangues não testados – hoje muito raro), contaminação de mãe para filho durante a gestação ou no momento do parto (sífilis congênita) ou mesmo pela amamentação.  

Sintomas:  

Os sinais e sintomas da sífilis variam de acordo com o estágio da doença, que se divide em:  

Sífilis latente:  

  • Ausência de sinais ou sintomas.  

É dividida em sífilis latente recente (menos de dois anos de infecção) e sífilis latente tardia (mais de dois anos de infecção). A duração é variável, podendo ser interrompida pelo surgimento de sinais e sintomas da forma secundária ou terciária.  

Sífilis primária:  

  • Ferida. 

Normalmente única, no local de ocorrência da entrada da bactéria (pênis, vulva, vagina, colo uterino, ânus, boca, ou outros locais da pele) e que surgem num período entre 10 a e 90 dias após o contágio. Essa lesão é rica em bactérias, normalmente não dói, não coça, não arde e não tem pus, podendo estar acompanhada de ínguas (caroços dolorosos) na virilha.  

Sífilis secundária:  

  • Febre 
  • Cefaleias 
  • Caroços pelo corpo 

Os sinais e sintomas aparecem normalmente entre seis semanas a seis meses do aparecimento e cicatrização da ferida inicial (manchas corporais que não coçam).  

Sífilis terciária: 

  • Lesões cutâneas, ósseas, cardiovasculares e neurológicas.  

Pode surgir de dois a 40 anos (isso mesmo!!!) depois do início da infecção. Uma pessoa pode ter sífilis e não saber, isso porque a doença pode aparecer e desaparecer, mas continuar latente no organismo. Por isso é importante se proteger, fazer o teste e, se a infecção for detectada, tratar da maneira correta. O não tratamento da sífilis pode levar a várias outras doenças e complicações, inclusive à morte.  

Sífilis congênita:  

É a infecção transmitida da mãe para o bebê e pode ocorrer em qualquer fase da gravidez. O risco é maior para as mulheres com sífilis primária ou secundária. Importante ressaltar que a sífilis materna e sem tratamento, pode causar má-formação do feto, aborto espontâneo e morte fetal. Na maioria das vezes, porém, o bebê nasce aparentemente saudável e os sintomas aparecem nos primeiros meses de vida: pneumonia, feridas no corpo, alterações nos ossos e no desenvolvimento mental, surdez e cegueira.  

Tratamento:  

O tratamento é feito com antibióticos e deve ser acompanhado com exames clínicos e laboratoriais para avaliar a evolução da doença e estendido aos parceiros sexuais. A sífilis é uma infecção curável, com tratamento relativamente simples, mas pegar uma vez não promove imunidade. Nas formas mais graves da doença, como na fase terciária, o não tratamento adequado pode levar à morte.  

Prevenção:  

O uso de preservativos (tanto femininos como masculinos) durante todas as relações sexuais (inclusive anais ou orais) é a maneira mais segura de prevenir a doença; o acompanhamento das gestantes e dos parceiros sexuais durante o pré-natal contribui para o controle da sífilis congênita. 

É essencial compreender a importância da prevenção e do diagnóstico precoce.  
Atente-se aos sinais e, proteja-se! Procure seu médico para mais informações.  

Últimas Publicações

Veja Nossos Vídeos

O De Bem com a Vida é um portal dedicado a reunir e disseminar boas práticas para saúde, bem-estar e qualidade de vida. Por meio de cartilhas e conteúdo, a plataforma traz informações atualizadas sobre o setor – notícias, legislação, dicas e muito mais. Além de agregar os insights e novidades em alta, o portal é atualizado mensalmente com campanhas de saúde e conscientização. O objetivo é compartilhar conhecimento de forma clara e didática e contribuir para a educação da população.

Inscreva-se
e receba novos conteúdos

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceitar Ler Mais

Política de Privacidade & Cookies